Pontos de Escuta

O Movimentos dos Focolares criou Pontos de Escuta, com profissionais qualificados e isentos, para oferecer apoio e acompanhamento nas situações em que se manifeste necessário.

  • Prevenção dos abusos

Prevenção e intervenção contra a violência sexual e os abusos espirituais e/ou de poder no Movimento dos Focolares.

Promover os relacionamentos e criar a comunhão em todas as áreas da vida é o objetivo principal do Movimento dos Focolares com a sua espiritualidade baseada nos princípios evangélicos. 

Infelizmente, as relações humanas são, por natureza, ambivalentes e podem ser comprometidas por muitos desvios que às vezes assumem formas violentas de carácter espiritual ou sexual. As denúncias nos últimos anos mostraram que isto aconteceu também no Movimento dos Focolares.

O Movimento dos Focolares na Europa Ocidental, como em toda a parte, compromete-se firmemente em denunciar todas as formas de violência e utiliza todos os meios apropriados para garantir que tais atos não se repitam, de modo que as suas comunidades e os seus eventos se tornem lugares cada vez mais seguros para relacionamentos saudáveis e de proteção para todos. Isto também foi reiterado pelos seus delegados na última Assembleia Geral, em fevereiro de 2021.

“Comprometemo-nos a reforçar o que já está em vigor para a prevenção de todas as formas de abuso físico, sexual, de poder e de consciência. Pedimos perdão às vítimas e asseguramos o nosso total apoio, reconhecendo, com profundo pesar, todas as situações em que não fomos capazes de as proteger. Estamos empenhados em promover ainda mais uma cultura de prevenção e de promoção do bem-estar de cada pessoa, com uma formação adequada e uma comunicação transparente”.

Nesta página podem encontrar informações e pessoas de contacto, para prevenir e combater a violência sexual e o abuso espiritual e/ou de poder no Movimento dos Focolares em Portugal.

  • Ponto de escuta para preocupações ou denúncias não resolvidas 

O Movimento dos Focolares criou um “Ponto de Escuta” para a Europa Ocidental (Portugal, Espanha, Bélgica, França, Países Baixos, Grã-Bretanha, Irlanda, Suécia, Noruega, Dinamarca, Finlândia, Islândia e Malta) para os problemas relacionados com o abuso de poder, com o abuso espiritual, ou com outros tipos de contestação e queixas.

O abuso espiritual e o abuso de poder podem ocorrer nas comunidades cristãs. É com profundo e sincero pesar que devemos notar que aconteceram no passado e podem ainda acontecer no seio do Movimento dos Focolares. Para contrastar esta situação, o Movimento dos Focolares deseja oferecer estruturas para acolher denúncias a este respeito e trazer à luz todas as formas de abuso.

Como uma das ferramentas para esta finalidade, o Movimento dos Focolares na Europa Ocidental oferece o Ponto de Escuta (Listening Point), em diversas línguas, lugares seguros onde experiências e preocupações podem ser partilhadas com total confidencialidade. O conceito foi desenvolvido por profissionais e cada membro tem uma experiência de trabalho comprovada para oferecer apoio e acompanhamento.

  • Ponto de Escuta – França

Já existente para o uso exclusivo dos membros em França. 

Mais informações em: https://focolari.fr/abus/cellule-decoute-pour-les-abus-spirituels-et-dautorite/

  • O que esperar de um Ponto de Escuta? 

Mesmo se os membros de um Ponto de Escuta são, na sua maioria, profissionais na área da psicologia ou da psicoterapia, os membros dos Pontos de Escuta da Europa Ocidental, em geral, ofereceram voluntariamente os seus serviços unicamente pela sua experiência em escutar as pessoas. 

Cada membro atua em regime de voluntariado e é guiado por estes princípios: 

  • Qualquer pessoa que contacte um Ponto de Escuta poderá ter, no máximo, três sessões de diálogo, que são uma oportunidade para partilhar e examinar a sua experiência e avaliar se é o caso de empreender alguma ação.
  • Após três sessões, a pessoa que o desejar pode ser aconselhada e informada onde pode encontrar mais ajuda.
  • Todas as conversas são estritamente confidenciais. No entanto, em caso de denúncias relativas a crimes indiciáveis, pode já não ser possível manter a confidencialidade. Nestas circunstâncias, deveria haver sempre previamente um diálogo com o utente.
  • Se for considerada necessária uma ligação com a equipa local de proteção e bem-estar, será o consultor do Ponto de Escuta a fazer esse contacto, mas isso será previamente discutido com o utente. 
  • Qualquer membro do Ponto de Escuta pode ser contactado por e-mail. 
  • Cada pessoa no Ponto de Escuta é um profissional. Todos são independentes das estruturas governamentais. Aqueles que são membros do Movimento dos Focolares cumprem as mesmas regras de confidencialidade e não divulgarão qualquer informação, a não ser que o utente o solicite. 

Os membros do Ponto de Escuta da Europa Ocidental desempenham as suas funções de escuta individualmente, mas são assistidos e auxiliados por um consultor na pessoa da Dra. Gabriele Müller.

Sem violar a obrigação de confidencialidade, o consultor tem uma reunião anual com os líderes do Movimento dos Focolares na Europa Ocidental para destacar problemas estruturais e espirituais e para sugerir medidas de prevenção adequadas.

  • Quem são os membros? 
Drª. Gabriele Müller – Consultora do “Listening Point” Nasceu em 1964, vive em Frankfurt am Main. Ela não tem qualquer papel de liderança no Movimento dos Focolares. É médica em anestesia, terapia da dor, medicina paliativa e acupuntura com especialização em interação temática baseada em psicologia profunda no Simone Weil Institute, bem como em psicologia da comunicação no Schultz-von-Thun Institute. Trabalha como associada na equipa de gestão médica do Centro Rhein-Main para a Dor e Cuidados Paliativos em Wiesbaden e Frankfurt.
Dr. Tony Martín
Nasceu em 1955 em Barcelona, onde vive, e não pertence ao Movimento dos Focolares. É um médico especializado em patologia psicossomática: perturbações emocionais e dor somática. É um psicoterapeuta cognitivo comportamental (Instituto Albert Ellis). Sexologista clínico e terapeuta de casais desde 1985.  Membro da Comissão Diretiva da Secção Colegial de Sexologia Médica do Colégio Oficial dos Médicos de Barcelona. É docente de Mestrado de Sexologia Clínica e Saúde Sexual na Universidade de Barcelona, especializado em dependência sexual e parafilias. É um instrutor de Mindfulness (curso Atenção Plena – MBSR), professor e divulgador de temas de saúde mental.
Dra. Angela Manning
Consultora Clínica Reformada e Neuropsicóloga Clínica BA MA D.Clin Psych. É membro dos Focolares.
Trabalhou como consultora clínica e neuropsicóloga clínica no Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido desde 1989. Trabalhou como gestora profissional/chefe de serviço na reabilitação da saúde mental, clínicas psiquiátricas ambulatórias, serviços  de internamento psiquiátrico e serviços psiquiátricos/ neuropsiquiátricos para os idosos. Ocupou cargos de chefia de serviço em vários âmbitos, abrangendo serviços de psicologia de ambulatório, de internamento e de transição em três grandes hospitais londrinos, que incluíam a direção de disciplinas aliadas à psicologia. As suas principais áreas de interesse e especialização são o trauma, com particular ênfase no trauma dos refugiados e da guerra, a psicologia transcultural e  as lesões cerebrais/condições de desenvolvimento e degenerativas. Tem também uma experiência considerável no tratamento de pessoas com psicose e distúrbios de personalidade e na formação de outros no trabalho com estas condições.
Dra. Elvira Mira García
Licenciou-se em Psicologia em 1986 na Universidade de Sevilha. A sua experiência de trabalho tem-se concentrado no campo da Psicologia Clínica. Desde 1988, exerce na prática privada de intervenção clínica, focada na atenção individual da patologia em adultos, crianças e casais. É membro dos Focolares.
Tem realizado cursos, seminários e conferências de preferência nos campos da ‘Comunicação de Casais’, ‘Educação em Valores’, ‘Diálogo’, ‘Adoções e Adolescência’. Nos últimos anos tem feito parte da equipa ‘Itinerários de Luz’ para workshops para casais em crise.
Dr Anthony Dimech
É consultor em Psiquiatria Geral de Adultos e Dependências e psicoterapeuta de comportamento cognitivo. É membro dos Focolares. É Professor Catedrático Visitante na Universidade de Malta. Em 2005 obteve um Mestrado em Dependências do Kings College London e em 2007 conseguiu um Diploma de Pós- Graduação em Terapia Cognitiva Comportamental para Problemas Graves de Saúde Mental da Universidade de Southampton, centralizado nas perturbações da personalidade. Recebeu dupla acreditação como especialista em Psiquiatria Geral de Adultos e Dependências do PMETB, Reino Unido, em 2008. Em 2015 completou um Diploma em Hipnoterapia Cognitiva e está inscrito no Registo Geral de Hipnoterapia, Reino Unido. Está atualmente a preparar-se para um doutoramento de pesquisa em avaliações individualizadas aprofundadas e intervenções hipno-terapêuticas cognitivas para pessoas com comportamentos viciadores baseados no conceito de autonomia.
Dra. Susana Costa Ramalho
Doutora em Psicologia pela Universidade de Lisboa e Coimbra (2015), Mestrado em Psicologia com especialização em Stress e Bem-Estar (2008) e Licenciatura em Psicologia (1996, ramo de Psicoterapia e Aconselhamento) pela Universidade de Lisboa. Especialização em Psicoterapia Cognitivo-Comportamental (CBT), com formação subsequente em Psicoterapia Centrada nas Emoções. Não faz parte das estruturas do Movimento dos Focolares.
Reconhecida pela Ordem Portuguesa dos Psicólogos como Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde e em Psicologia Comunitária. Formadora de adultos desde 2000 e docente universitária desde 2004. Professora adjunta convidada pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa desde setembro de 2017, onde coordena atualmente o Instituto de Ciências da Família e o Curso de Formação Avançada em Orientação e Referência Familiar, e é membro da equipa do projeto CUIDAR – programa de extensão universitária cujo objetivo é promover o desenvolvimento de uma cultura de proteção e cuidados nas instituições. Investigadora no CRCW – Centro de Investigação Católica para o Bem-Estar Psicológico, Familiar e Social, na linha Sociedades Resilientes e Seguras, Famílias e Indivíduos, sob a área temática Adaptação Familiar e Processos de Desenvolvimento.
  • Como entrar em contacto com os elementos do Ponto de Escuta?
Informações gerais 
(o e-mail é lido por um dos membros do Ponto de Escuta da Europa Ocidental)
info.puntoascolto.euoccident@gmail.com 
Inglês:angela.listeningpoint.euoccident@gmail.com 
Espanhol:elvira.puntodeescucha.euoccident@gmail.com
toni.puntodeescucha.euoccident@gmail.com 
Português:susana.pontodeescuta.euoccident@gmail.com 
Italiano/Inglês/Maltês:anthony.puntoascolto.euoccident@gmail.com 
  • O que é o abuso espiritual?

Em muitos grupos e comunidades há pessoas que comandam e têm cargos de governação. Essas pessoas têm poder e autoridade que podem usar para o bem, mas do qual também podem abusar. Isto aplica-se ao acompanhamento espiritual, mas também à família ou a um parceiro, na escola ou no âmbito da terapia. Situações em que há um superior e uma pessoa, ou um grupo de pessoas subordinadas a ele, podem favorecer o abuso. Pode existir também um risco de abuso nas relações em que uma pessoa ou um grupo procura um aconselhamento, uma orientação ou um auxílio e este é fornecido por uma outra pessoa. Tais casos requerem líderes, responsáveis de grupo, ministros e guias espirituais que tenham uma consciência autocrítica e a plena compreensão da sua responsabilidade particular.

O abuso “espiritual” ocorre num ambiente religioso e começa quando alguém manipula e pressiona com textos bíblicos, conteúdo teológico e práticas espirituais uma pessoa que vem para procurar apenas um aconselhamento. O abuso pode ser cometido não só por indivíduos, mas também por comunidades inteiras.

A pessoa abusada é assim levada a um estado de confusão, angústia e isolamento em vez de adquirir uma plena liberdade e a sua realização no seu relacionamento com Deus. As consequências são a dependência e a opressão em vez da liberdade e da autonomia, até ao ponto de causar sérios danos à saúde física e mental da pessoa afetada. O abuso espiritual é uma forma de abuso de poder, porque os perpetradores usam o seu cargo ou as próprias funções para ultrapassar os limites, sem que a outra pessoa possa defender-se.